Início > Cursos, Moda > Minha experiência na Central Saint Martins

Minha experiência na Central Saint Martins

Finalmente vou falar um pouco sobre a minha experiência nos dois cursos que fiz aqui. Vejam bem, apesar de ser na mesma escola, os dois são muito muito diferentes e por isso mesmo acho super válido dividir com vocês. O post é enorme, desculpem! Ficou dificil resumir, por isso não colocarei fotos. Fiz um curso de 2 meses, uma vez por semana e outro de 4 dias, super intenso , de manhã até final da tarde non stop, mas com praticamente a mesma carga horária do de 2 meses.

Aí que eu tive uma experiência super positiva em um, e nem tão positiva em outro. Como boa “Poliana” que sou acho que foi muito válido mesmo a nem tão positiva. Como sei da vontade de muita gente estudar aqui , acho importante dar uma opinião sincera, realista e não deslumbrada  do que são alguns cursos na Central Saint Martins, que apesar de ter um nome de peso não é perfeita.

Começando pelo prédio. Os dois prédios deles onde fui,o de Paddington e o de Charing Cross são um lixo. Mas como o lixo de um é o luxo de outro, para os estudantes da parte criativa é uma beleza. Pode se escrever nas paredes, colar tudo quanto é tipo de foto, fazer arte mesmo. O prédio caindo aos pedaços faz parte da vibe meio trash de Londres, das misturas, do novo com o velho, de tudo que a moda e arte londrinas representam.  Daqui a alguns meses eles mudarão(ou já mudaram?, não sei!) para um prédio em King’s Cross mais novo e menor, então essa é uma opinião com data de validade quase vencida. O prédio caquético só dá um choque inicial para quem tem uma idéia formada a respeito da CSM, ele não atrapalha em nada o andamento do aprendizado.

Passado o susto , vamos aos fatos que realmente importam.

A visão que tenho da Saint Martins é como uma Universidade federal brasileira. As federais tem uma super fama de ótimas Universidades mas a verdade nua e crua é que o aluno da Federal tem que cortar um dobrado. Ser auto didata, pesquisar, e ser o mais independente que puder. Pensando assim, de onde vem a fama toda? Dos professores, que em geral além de terem muito conhecimento, tem nome. Isso foi algo que senti muito na Saint Martins também. E conversando com pessoas que fizeram muitos e muitos cursos lá  e com professores sobre os cursos de graduação e pós, vi que esse é uma filosofia deles. Orientar sim, mas impor jamais.Muito londrina por sinal.Um dos professores desse ultimo curso que fiz também é professor de cursos de graduação e pós. De acordo com ele os professores não interferem em nada na criação da coleção de conclusão de curso. Os alunos fazem exatamente tudo, e eles só orientam, em momento algum vetam  aluma idéia deles. Até porque somente 40 coleções são mostradas no desfile oficial . Mas eu acho que com o pouco tempo dos cursos curtos toda ess liberdade vira uma confusão. É muita informação, pouco tempo, e sem a organização necessária fica muita informação perdida, muita coisa embolada.

Talvez até por isso que o Senac tenha cursos tão bem sucedidos.A maioria dos cursos são curtos e você tem que sair profissional no determinado assunto de lá. Então tem um cronograma, um método a cumprir. Isso é algo que realmente falta nos cursos da Saint Martins. Isso falando no geral. Pode ser que um professor ou outro siga um caminho diferente, mas esse é o estilo da escola, então é mais ou menos isso que se deve esperar de um curso deles.

A  liberdade pode ser positiva também,porque os professores sentem o que os alunos esperam do curso na primeira aula e dali eles direcionam  de acordo com as expectativas.

Mas num curso de 4 dias o tempo é muito curto para os alunos criarem um laço com o professor a ponto de falar exatamente o que eles esperam daquilo e as coisas podem tomar uma direção confusa, frustando quem pagou por aquilo.

No meu curso de 2 meses a professora era completamente maluca , 0% de diática, chegou atrasada em TODAS as aulas e faltou uma,mas ela está muito por dentro do mercado, e isso ajudou MUITO! O curso de 2 meses era Fashion and communication for the music Industry. Super específico e ao mesmo tempo pensa no tanto de coisa que dá para falar sobre isso. E a minha fessora já foi Stylist de várias bandas conhecidas, como Kings of Leon por exemplo, mas a profissão dela é jornalista. Ela escreve regularmente para algumas revistas de musica e para jornais, tem poesias e livros publicados, e tenho a ligeira impressão que essa é sua paixão, então tivemos muitas atividades ligadas mais a parte de comunicação do curso do que moda. Foi muito interessante, e bem desafiador. Pensa só escrever a idéia total de video clip baseado numa música real, uma banda também real, com direito a escolher todo o figurino. Trabalho de diretor, roterista E stylist.

E no final do curso ela também nos proporcionou algo mais que demais: uma sessão de fotos com modelos que estão no mercado, com fotógrafo top top e maquiadores ótimos.

E o nosso trabalho foi criar toda a idéia das fotos baseada numa determinada banda desconhecida, mas real, fazer o casting das modelos, arrumar as roupas, etc. Uma situação real e muito válida para quem quer ser stylist.

Já o curso de uma semana foi de Personal Styling, e foi muito mais uma decepção do que amor.

Não vou dizer que não aprendi NADA, mas eu achei o curso deveria ter níveis, e se tivesse que escolher algum para esse, seria o o primeiro estágio de Personal Styling. A notícia boa é que London College of Fashion, que é um primo da Saint Martins,tem um curso de Personal Styling dividido por níveis, e tem boas referências.

Para quem se interessa e se informa sobre moda, tem já alguma noção, achei o curso bem vazio.

Eu já tive uma base no outro curso, gosto de moda e leio bastante, então não acho que acrescentou tanto assim para mim. O fato de observar as pessoas numa cidade onde todos somos muito expostos a moda , e principalmente onde as pessoas não tem medo de ousar na hora de se vestir também me deu uma certa base nesse assunto também.

Outro fator que contriubui para não ser tao maravilhoso é o tempo.  4 dias não é o  suficiente. Por mais que a carga horária seja quase a mesma, é muito diferente receber toda a informação num espaço de tempo que dê para “digerir”melhor. Uma coisa super negativa que eu também achei, é que a sala não é homogênea. Não no sentido de serem pessoas de idades, culturas, diferentes.Isso é até muito legal.Mas no sentido de objetivo mesmo. Cada um esperava uma coisa do curso, e isso deixa o professor sem foco, que nem barata tonta. Muita gente do meu curso fez aquilo para aprender a se vestir, e muita gente para trabalhar com isso. Dentre os que queriam trabalhar, cada um queria uma coisa diferente. Quando a gente se juntou , conversou e tentou organizar a bagunça era tarde demais.

Resumo da história: os dois cursos que fiz sofreram o mesmo problema-falta de organização. Muita informação solta, nenhum cronograma, pouca informação sobre o curso na hora da matricula (o que faz a sala não ser nada homogênea)e online, professor/orientador que sabe muito do assunto mas não sabe dar aula.

Milhões de outras faculdades tem graduação de moda, cursos rápidos etc.

Porém  as mais conhecidas mesmo são as que fazem parte da University of the Arts London,  da qual a Saint Martins, College of Fashion e outras fazem parte. Tem o Instituto Marangoni também, que é super comentado, mas não conheço uma pessoa que tenha estudado lá e saído satisfeita. Talvez tenha sido coicidência, vai saber, mas a reclamação é sempre a mesma: muitas regras, muita teoria, e a parte da arte em si fica esquecida. Será que colocando a Saint Martins e eles num caldeirão e mexer sai a faculdade perfeita?   E por fim,fica uma constatação. Uma coisa que me disseram antes de começar a fazer qualquer curso era que eu deveria fazer vários trabalhos voluntários e isso me daria muito mais base do que qualquer curso e não custaria nada. Muito verdade! Os cursos valeram e acho importante estudar, não me entendam mal, mas nada substitui a prática. Sem contar que uma coisa muito importante para quem trabalha com moda é ser conhecido , e o trabalho voluntário faz isso.Eu tenho feito vários trabalhos assim, e por isso mesmo minha vida aqui no blog está quase nula. Tenho o meu trabalho de sempre, que anda mais puxado e muito mais interessante que antes, tenho esses voluntários que me dão um prazer enorme mas nenhum dindin mas tomam tempo, e tenho a minha vida para cuidar também. É duro! Mas vou tentar não deixar o blog tanto às moscas, promise!  Não posso mais acessar o blog do trabalho, e nem se desse teria tempo, e o tempo “livre” nunca é livre mesmo.  Mas prometo me esforçar mais! Para quem teve paciência de ler até o fim, espero que tenham gostado!

  1. junho 22, 2011 às 11:26

    Adorei que você tenha comentado sobre sua experiência por aí. É muito válida para quem fica na expectativa aqui. Tenho muita amiga que sonha em estudar nas instituições que você mencionou. Para um próximo post você poderia comentar sobre o trabalho voluntário que está fazendo, que tal? Beijos!

    • junho 23, 2011 às 08:37

      Daniela, já tem um post quase pronto sobre o trabalho voluntário. bjs!

  2. junho 22, 2011 às 16:00

    Li tudo, até as últimas a palavras e gostei demais.
    Por dois fatores:
    1- Porque desmistificou todo esse hype em cima dessas escolas ne? Bom pra gente, que sempre quis ir achando que tem alguma coisa de muito diferente.
    2- Porque mostrou que a galera que vai praí estudar e volta se achando a Carine Roitfeld, na verdade volta sem grandes alterações, não que não tenham aprendido nada…mas você foi muito sincera em falar que o 2o curso não acrescentou muita coisa, e que vale mais a prática. Tem gente que vai e volta e acha que já sabe tudo.

    Bom, eu fiquei com vontade de ir só pra fazer esses trabalhos voluntários e aprender com quem já está há anos fazendo isso 🙂

    E volta hein Lili, adoro sua sinceridade e as coisas que você fala..desmistificando o hype heheheh!

    • junho 23, 2011 às 08:56

      Be, eu aprendi muita coisa sim, principalmente no primeiro curso. Mas acho que o pacote todo é que prepara a gente para vida profissional, e um curso numa instituição famosa nem sempre é suficiente. As pessoas gostam de colocar tanta coisa desse mundinho da moda num patamar super elevado, inalcançável, que chega a ser irritante. Desmitficando hype é ótima!rs! A intenção é da uma opinião sincera mesmo, para quem quer vir para aprender e nao só para sair arrotando por aí que estudou da CSM. Eu acho que muita gente pode ter uma experiência diferente da minha, mas a verdade é que a maioria não quer desvalorizar o passe e contar a verdade,hehehe. bjs!

  3. junho 22, 2011 às 22:17

    Ai ai ai, eu tô indo fazer 2 cursos de cinco dias cada na Central Saint Martins 😛 ahauhshahuha
    É a vida, agora é torcer pra minha experiência com o short course ser melhor que a tua.. E se não for, que papai não fique sabendo, já que ele quem tá pagando O_O
    Sobre esses trabalhos voluntários.. Aceitam uma ajudante voluntária em julho? 😀

    Bjsss

    • junho 23, 2011 às 08:59

      Thaís, cada um tem uma experiência, espero que a sua seja melhor que a minha no curso de uma semana! Tente aproveitar ao máximo a cidade e suas exposições de arte, de moda etc. A moda de rua tb é algo que deve ser sugado ao máximo, acho que dá para aprender mais com ela do que qualquer outra coisa! E dê uma passada na biblioteca da faculdade , que é fantástica! bjs

  4. junho 27, 2011 às 18:31

    oi lili td bem?
    leio seu blog sempre, adoro suas dicas.
    esse post foi mto bom mesmo, esclarecedor!
    estou indo praí agora em agosto para tirar o IELTS pq quero fazer um mestrado em moda. tinha olhado na CSM e na Kingston também, vc conhece essa universidade? vc conhece alguma universidade em que o mestrado em moda seja bom? eu quero dar aula em faculdade quando eu voltar pro brasil, entao preciso mesmo que o ensino seja bom, nao precisa necessariamente de nome!
    preciso escolher direitinho, já que pago as taxas mais altas pq sou brasileira, né? rsrsrs

    tudo de bom p vc aí!
    bjos

    • junho 27, 2011 às 22:31

      Olha, essa minha opinião serve mais para os cursos de curta duraçao. Eu acho que pós, mestrado, e graduação, apesar de ainda seguir o estilo super relaxado e meio bagunçado, é outro esquema. A faculdade tem um nome a zelar, não é qualquer um que tem uma graduação por lá, acho que se passa por um outro processo mais longo e totalmente diferente do que eu vi e passei. São poucas vagas, é bem concorrido! Eu sugiro que vc converse com quem tem uma experiência dessas, ao invés de cursos curtos como os que eu fiz, para ouvir uma opinião mais precisa para o seu caso. A de Kingston eu não conheço. Vou procurar me informar e conto aqui! bjs

  5. julho 27, 2011 às 17:56

    Oi Lili, tudo bem? Estou super à fim de fazer uns 2 cursos na CSM, porém, mais na área de designer, desenhar coleções e executar porque eu já costuro 😉
    Você sabe como faço pra conseguir matrícula, hospedagem, enfim, TUDO que necessário para fazer esses cursos daqui do Brasil?
    Algum agência faz intermédio, será?

    Beijos!

    Cláudia.

    • setembro 3, 2011 às 20:34

      Claudia nao sei te dizer… Sei que vc pode fazer a matricula online, foi assim que fiz as dos 2 cursos. Vc deve apresentar seu visto no escritorio da escola alguns dias antes do curso,e de acordo com eles tem que ser visto de estudante, nada de turista, mas nao sei ate onde eles levam isso a serio. MAs hospedagem, nao sei mesmo!bjs

  6. Isabella Castro
    agosto 10, 2011 às 02:50

    Fiz Personal Fashion Stylis na London College of Fashion e amei! Professora super empenhada, paciente com estrangeiros, parceira mesmo. Já o Fashion Journalism que fiz na Saint Martins não gostei muito. Professor péssimo. Mas instalações boas, estudei na escola de Horborn. Mas, claro, quem vai morar em Londres e ainda tem a oportunidade de estudar moda, não volta com a mesma visão e se for bom aluno e esforçado, não vai passar batido por essa experiência. Bjos querida!

  7. Isabella Castro
    agosto 21, 2011 às 18:02

    Ops, Holborn! rs Acho que o importante mesmo é estudar, sempre, independe onde. Tem que correr atrás de informação pra ser bom profissional em qualquer área. Bjos Lili!

  8. setembro 3, 2011 às 20:35

    Pois eh Isa, mais uma experiencia positiva que ouco sobre o College of Fashion! Se fosse fazer outro curso, arriscaria em fazer um la! bjs

  9. Willian Júnio
    julho 25, 2012 às 22:54

    Algum tempo estou querendo estudar lá… mais queria saber como faço ja procurei no proprio site como faço: tipo preço dos cursos quais cursos que são aferecidos para esrangeiros e nada você poderia me ajudar?
    meu e-mail é willijunio@gmail.com
    muito obrigado

  10. vitória da silva
    junho 19, 2014 às 00:50

    Gostei e legal e adorei como VC falou dessa experiência eu já tinha ouvido falar CSM mas adorei mesmo assim adoreiii!

  1. junho 22, 2011 às 11:53

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: