Início > Cursos, Moda > Um pouco sobre os tais “trabalhos voluntários”

Um pouco sobre os tais “trabalhos voluntários”

Gente, complementando o outro post, vou falar sobre os tais trabalhos voluntários . O que são eles? Nada mais do que trabalhar de graça! A verdade é que não precisa sair de onde você está para fazer isso, em qualquer lugar do mundo ter trabalho voluntário, de moda ou não. Afinal de contas, quem não quer ter alguém para ajudar assim, por nada? Então a coisa fica na base dos Qis , sorte(minha amiga!) e da cara de pau(presente!) Aqui tem alguns sites onde você pode se inscrever para fazer esses trabalhos, gratuitos ou não, e onde vai conhecer gente que está com o mesmo interesse que você. Tem um ótimo,que serve para o mundo todo: www.whoistesting.com  Esse site nada mais é do que gente que está a fim de montar um portifólio. É ligado a moda, e tem stylists, modelos, fotografos que querem juntar o útil ao agradável, que é conhecer gente na indústria e ganhar prática ao mesmo tempo. Ele não é só para Londres, tem até para cidades no Brasil! E tem um daqui que é excelente para quem quer trabalhar com artes em geral, trabalho pago ou não:  www.artsjobs.org.uk  Já olhei bastante esses dois, mas como tenho um trabalho “normal” , preciso fazer coisas em horários flexíveis e preciso de gente para trabalhar comigo que também tenha muito o que fazer e entenda essa minha agenda maluca , caso contrário em dois tempos serei jogada para escanteio, trocada por alguém que tem tempo. Se eu fosse uma menina abençoada o suficiente para poder ficar uns 2 anos sem trabalhar, tentaria a sorte numa big empresa, numa agência de PR onde teria acesso a varias marcas, ou uma revista bem badalada, qualquer coisa bem bacana mesmo. É muito mais fácil do que se imagina trabalhar com isso se for assim, de graça, tipo num estágio mesmo. Uma menina que fez o curso comigo, no último dia do curso (o de 2 meses) contou que conseguiu um emprego desses no Mcqueen, tem noção? Ela é formada em artes, fala frances que já ajuda muito , trabalhou com moda, mas era recem chegada em Londres, da Bélgica. Tinha um inglês razoável, não é a pessoa mais estilosa do mundo , alguém normal como eu e você. As vezes colocamos o mundo de “gente importante” da moda num pedestal, quando na verdade a estrutura é igual em qualquer lugar, os problemas são os mesmos, tudo igual, só muda a proporção das coisas. Com toda sorte que tenho, conheci uma fotógrafa que trabalhou anos para a Getty images, que é uma gigante nesse mundo de fotos de celebridades, e já trabalhou com todo mundo que voces pensarem. Caí nas graças dela, sabe Deus por que, e como ela está renovando seu portifólio, fizemos algumas coisas juntas. Também trabalhei na produção de um video clip da banda Disappears. Tenho a intenção de continuar fazendo essas coisas no meu ritmo, quando algo que me agrada aparecer, e também fazer algo ligado a Personal Styling que é um trabalho que me encantou muito, me pareceu mais tranquilo e gratificante que os outros. Mas a verdade é que mudei muito minha opinião em relação a trabalhar com moda depois que vi a coisa de perto. E aí entro numa outra questão, que é (sobre)vivendo de moda , financeiramente falando. E a pergunta é, depois de passar pelos estágios de pobreza necessária de qualquer início  profissional, a coisa melhora ou não? Eu não sei viver contando centavo. Não que eu não conte na minha vida ,rs. Mas as possibilidades de trabalho, a estrutura , o salário no final do mês, tudo isso no Mercado financeiro é completamente diferente do mercado da moda. O que eu vi por aí é uma realidade muito parecida com a do mundo da música. Meu marido é músico como vocês sabem, e sei como é difícil a batalha. Ele tem muita sorte por dar aula em escola primária, ter shows semanais nas memas casas noturnas há anos e anos,mas no geral a vida de músico é muito instável, e isso não é para mim, não tenho cabeça para viver assim, acaba desestabilizando toda minha vida. E foi assim que acabei valorizando coisas no meu trabalho no banco que nunca imaginei, descobri que é muito melhor do que pensava. Eu não sei que rumo vai tomar minha vida com a moda, mas sei que ficar uns 2/3 anos trabalhando de graça com gente estressada, engolindo sapo como se estivesse recebendo milhões porque tem umas mil querendo o meu emprego, para depois sair para o mercado da incerteza, do um dia tem e outro não se sabe, até conseguir uma estabilidade não é algo que procuro para mim nesse momento da vida. Sei muito bem que o mercado da moda é imenso e essa realidade assustadora não é para todos, cada um constrói sua história profissional na área, mas por aqui essa seria exatamente a minha trajetória, e eu estou super fora disso. Falei esse monte, para dizer que o trabalho voluntário, ou estágio é muito bacana não só para engrenar na área, conhecer gente, ter experiência etc, mas para você sentir aonde realmente está amarrando sua égua. Pode ser muito melhor do que se espera, ou você pode chegar a mesma conclusão que eu: muito legal, mas não quero ter compromisso com isso, não quero viver só disso. A moda ainda é uma paixão, sempre vai ser para mim, e quero alimentar essa paixão sem precisar viver dela porque a realidade que me foi apresentada não é o que eu quero. Vou sempre fazer esses trabalhos , voluntários ou não, e se no futuro uma outra realidade mais interssante bater a minha porta ficarei muito feliz em abri-la. Principalmente se vier acompanhada de música, teatro e cinema. É isso, gente!

Anúncios
Categorias:Cursos, Moda Tags:
  1. Gabi
    junho 30, 2011 às 13:35

    Uau, Lili! Arrasou nos textos! Concordo contigo, viver de glamour tb nunca foi prá mim… Quando me formei tb tinha vontade de trabalhar com cultura, ter um emprego com horário diferenciado, mas depois de me inserir nesse mercado, produzir eventos, trabalhar na sec de cultura, vi que meu caminho não era esse e ainda bem que me encontrei em outra grande paixão, a culinária, mesmo que ser dona de restaurante não tenha assim muito a ver com se aventurar na cozinha e sim em ser uma comerciante antenada e esperta!!
    Parabéns pela sinceridade, pela garra, pela força de vontade e pela humildade de se perceber, de valorizar o que tem e focar no que quer ter daqui prá frente!
    Muita boa sorte por aí, no banco, nas ruas londrinas, nos trampos voluntários, nas viagens, em tudo!
    Beijos no maridão e outro grande em ti!

  2. julho 19, 2011 às 10:13

    Obrigada, lindona! bjs

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: